Sobre paixão, pragas e ondas invisíveis de telefonia móveis


Quando você entra em uma paixão pela primeira vez (mesmo depois de ter fugido várias e várias vezes desse acontecimento), você se entrega. Se perde, dá a chave do seu mundo, conta todas as verdades nunca ditas. E aí vem a queda. Queda livre e de pouso dolorido. Você reclama, entristece e roga pragas, jurando de pés juntos nunca mais se apaixonar. 
E aí, quando você menos espera, aparece alguém que vai tomando um pequeno pedaço do seu dia, depois da sua vida e quando para e pensa, essa pessoa, já está com os dois pés dentro do seu mundo. Você não sabe o que está sentindo até então mas quando entende o que acontece... O primeiro trauma, ah, bobagem, já foi. Não vai acontecer novamente. Você se entrega. Se perde, dá a chave do seu mundo, conta todas as verdades nunca ditas. E aí vem a queda. Queda livre e de pouso dolorido. Você reclama, entristece e roga pragas, jurando de pés juntos nunca mais se apaixonar. 

Neste momento, sentada á beira da janela do trem, você começa a repensar sobre o amor, paixão e coisas do tipo, chegando a conclusão que é insano fugir dessa etapa da vida mas mais insano é aceitar que ela deva acontecer a todo tempo. Sabe... Que você precise disso para se manter viva. Do tipo de pessoas que mal saem de um relacionamento, já estão na balada, já estão em um noivado e coisas malucas assim. 

Com as luzes de São Paulo pela noite e a interferência das ondas invisíveis da telefonia móvel, sua mente começa a funcionar tão rapidamente que fica dificil organizar as palavras para explicar o que sente e o que passa em sua mente, definindo apenas como ânsia de vômito e pavor de encarar outra paixão novamente. 

Bela Carapinheiro



Ps.
    Começarei a postar alguns textos que tenho escritos, fora de ordem cronológica: alguns recém escritos e outros de muitos anos. 
   Espero que gostem.

You Might Also Like

0 comentários

Obrigada pela visita!
Sempre respondo os comentários, visito os blogs de volta e lá, mando novamente a resposta do que foi dito aqui.

Siga também | FB Page A Bela, não a Fera|